Saudades, daquela estrela
Que brilhava, adormecida
No meu peito repousava
Pensando na minha vida
Pensando no meu destino
Uma lágrima correu
Pelo meu rosto cansado
Nas rugas se me perdeu...

Água, fonte dos meus olhos
Que antes, regavam flôres
Rosas brancas, perfumadas
No jardim dos meus amores
No jardim em que colhestes
Um cravo vermelho em flôr
Meu coraçâo tu roubaste
Sem conhecer minha dôr
Sem saber o sofrimento
Que me pudestes causar
Meu amor, estes meus versos
A ti eu vou dedicar.


Autor: Ribatejano
Texto na Voz do Autor: Ribatejano
Em: 23 De Maio de 2004