Sonho com algo que está para vir
Durmo desperto e sonho acordado
O Tempo passa sem meu consentimento.

As rugas, sinais da minha amargura
Os filhos crescem fazendo-me constatar
A crueldade do meu envelhecer.

Corpo fustigado pelo trabalho
Pelas canseiras apressadas da gente egoísta
Corro daqui para além sem descanso
E sem perceber a finalidade de tal urgência.

E os dias vâo passando, apenas sâo dias
Horas, minutos, segundos...
Qual importância terâo...

Na máquina que me absorveu
Sou apenas uma peça mais, na infinidade
Das engrenagens que a compoêm.

Uma esperança há em mim!

Que meus Filhos algum dia possam...
Mudar a Grande Roda
Onde eu me encontro encerrado...

Autor: Ribatejano
23/08/2002
Texto na Voz do: Autor