Águas claras, areias brancas
Gaivotas que vôam
Distante dos ninhos
Em busca da sorte...

Ou quem sabe da morte?

Meus olhos se fecham
Sinto-me como um pássaro sem asas!
Que faço eu aqui?
Que busco que espero?

A sorte, a morte?
Ou um sonho que a vida levou?

Não posso voar!

A tarde cai, a noite vem
Com seu manto negro
Cobrindo meu frio
Em minha alma um vazio!

Eu volto ao meu ninho
Sombrio e tristonho.

Mas amanhã é outro dia!
Outra tarde, e cá estarei

Como as gaivotas!

Que deixam seus ninhos...
Em busca da sorte...

Ou quem sabe da morte?



Autora: Pequenina