Deitada sobre a areia branca meu pensamento ia ao longe
Ouvia sons inesquecíveis, e a minha alma vagava...
Como uma nuvem branca que passa, num infinito céu azul.

E tu navegavas ao meu lado, naquele Oceano sem fim
Sentia-me uma nau sem rumo, entregue a corrente das águas
Em busca de um só destino.

Percebi que algo de novo acontecia
Meus olhos brilhavam como diamantes à luz do sol
Do meu corpo molhado exalava o forte aroma do Mar.

A brisa fresca e suave cantava canções de amor
Como se fora o cantar dos pássaros

O Mar levava suas ondas gigantescas até a areia
Molhando-me com suas águas frias
Uma paisagem deslumbrante!

O sol queimava meu corpo
Deixando a minha pele morena e ardente
O tempo foi passando sem que eu percebesse.

À tarde se foi, despertei do meu lindo sonho
Mas aquele Paraíso, este continua, porque ele é real, ele existe!

E faz parte de mim, da minha vida
E até mesmo dos meus sonhos
Que fica a poucos passos do meu cantinho
Onde dei o nome de 'Recanto das Gaivotas’
N’um pequeno Bairro de uma pequena Cidade, cercada de águas.

As salinas com seus moinhos
A colheita do sal, a pesca artesanal na Lagoa, a mata nativa
Onde existem as mais raras espécies de orquídeas e frutos silvestres
Seu povo humilde e acolhedor.

Até quem nunca lá foi, sente saudades!

A paz e a tranqüilidade fazem parte deste cenário...
Abençoado, pelas mãos da mãe natureza
Se um dia tu cá vieres verás que o mundo é bom...
E que a felicidade até existe!


Autora: Pequenina
Música na Voz do Ribatejano