Perguntei ao doce mar
Porque fez isto comigo?
Que num instante, e com fúria
O meu castelo levou.

Custei tanto a construir
Foram-se anos sem fim
E em segundos, e sem dó
Ele veio a destruir.

Respondeu-me de mansinho...

Construa tudo outra vez
Com mais apreço e carinho
Com amor faça teu ninho
Distante um pouco de mim.

Base firme é necessário!
Este que tu levantas-te
Não havia segurança
Se eu não o destruísse agora...

Ruiria em cima de ti...

Veja! bem perto está o caminho
Um jardim cheio de flores
Árvores com frutos adocicados
Que querem te acolher.

Sabes bem que sempre sou
Valente e inconstante
Avanço, para me defender
Luto para não morrer.

Fosse eu, sempre mansinho
Já não mais existiria
Seria mais uma aldeia
Não restava nem a areia...

Recanto da Fidalguia...

Esqueça o que se passou
Que teus sonhos, o mar levou
E o castelo que se foi
Estão no leito das águas...

De um oceano sem fim.

E quando sentires saudades
Volte, e me traga uma flor
Do teu jardim do amor
E mergulhe dentro de mim.

Afagarei teus cabelos
Sem lágrimas, e sem pesadelos
Teu sol, voltará a sorrir
Espere-o, que há de vir.


Autora: Pequenina

Música na Voz do: Ribatejano