Hoje lembro com saudades
Tudo que deixei em vão
Dentro de mim a verdade
Bate forte o coração.

Semear o vasto campo
O pasto para os animais
Ordenhar as lindas vacas
Que o bom leite nos traz.

Ah! “Monte Carmelo” querida
Quisera estar junto a ti
Beber da água da fonte
Que jorra dentro de mim.

Correr livre pelos montes
Sentir o cheiro da mata
Das cachoeiras, dos lagos
Tudo isto me faz falta.

Percorrer seus altos montes
Cavalgar, sem direção
Conviver com a natureza
Que eu amo de paixão.

Tudo isto é passado
São sonhos, e não voltarão
Se foi, restaram as lembranças
Que as guardo no coração.

Campos, relvas, matas virgens
Ah! Que saudades de ti...
Sei que não posso queixar-me
Se outra vida, eu escolhi.

Autora: Pequenina
11/2002