Meu mundo é triste e sombrio 
Minha vida não tem cor
Em meu leito, só há espinhos
Que fere, sangra, é só dor.

Meus gemidos eu os ouço
Vem da alma e do coração
Silenciosos e cortantes
Uma estranha sensação.

O vazio, me enlouquece
A solidão me apavora
Os fantasmas do passado
Ressurgem, e não vão embora.

Nas noites longas, a angústia
Toma conta do meu ser
Tento livrar-me, e não posso
Vivo apenas pra sofrer.

Procuro de mim, afastá-los
Buscando alento e amor
Caio num abismo profundo
Ferindo-me, choro de dor!

E assim a vida passa
Quisera poder mudar
Pois esta minha pobre alma
Sofre, a dor do meu penar.

Espero que o fim logo chegue
E as lágrimas venham a secar
Que no infinito uma luz
As sombras venham a ocultar.

Que em meu leito, não haja espinhos
P'ra que eu não volte a sangrar
Nem dores, nem solidão
Por fim irei repousar.

E as flores que lá nascerem
Tenham muito, a contar
E cresçam cheias de vida
Pra meu jardim perfumar.



Autora: Pequenina