Porquê Escrever…


Sim , é verdade, porquê escrever, se as minhas relações com as palavras são precárias, devido ao pouco aprendizado que tive, e também (tamem) devido ao ambiente em que fui criado, e no trabalho que exerci

Bom, verdade é que escrevo, porque preciso de ter relações com as palavras, e estas deixarem minha mente em paz.

Para mim é muito difícil usar uma nova palavra, sem o dicionário, mas se a usar ela beija meus lábios, o que quer dizer que me ama, assim com amor eu deito-a no papel para que os leitores a beijem também.

Eu gosto imenso de estar de bem com as palavras que uso, pois foram elas que aprendi do berço e me guiaram durante estes meus quase 70 anos de vida.

Lamento quando alguém me põem palavras na boca, ou troca as minhas palavras; amo as palavras que escrevo, porque são da minha terra; são masculinas, ou saíram do meu aprender, (erros à parte).

Amo o escrever, nele está todo o meu ser, o meu sentir verdadeiro, o que eu sou.

Também acaricio as palavras de almas distantes, palavras de alguém, que como eu sente intimamente; essas são como me pertencessem, porque não pertence a ninguém .

Certas palavras entram em mim em vôo libre, faço namoro com elas, vivo-as e faço-as viver; vivo as palavras mesmo que não compreenda o verbo, amo-as mesmo que tire a alguém o prazer de as ler; mas que queres, elas são todo o meu ser, vivo para essa emoção

de as escrever.

Por vezes são paginas imaginarias de vidas queridas, e vividas com emoção no meu pensamento, a palavra que escrevo é toda a razão do meu escrever, é minha; mesmo que me deixe atravessar apenas pelo som significante, e que haja alguém que a não compreenda por desuso, neste escrever as palavras bem de mim, mas não são minhas.

Quantas vezes eu as quero!… mas já não existem no meu pensamento; passeiam… e eu fico esperando que elas voltem;… elas levantaram vôo de mim, ficam pousadas no dicionário, mas o meu pensamento não as encontra.

Ho queridas palavras que ficais vivas aqui, mesmo depois de eu ficar em cinzas.

Escrevo para descrever caminhos, e coisas vivias que emocionaram estes meus dias passados com vocês .

Quantas vezes encontro em mim um vácuo, quando procuro recordar-me de coisas em que eu fui cúmplice e esquenta o meu sentir.

Por vezes expresso com movimentos o significado das palavras, que me fez ir e vir, neste mundo onde a luz do sol dá significado ao nosso viver, e ilumina um futuro de mais amor.

Encontro-me sempre prenhe de pensar o que devo escrever, e assim deslizo por rios de miséria e recordações de minha infância, então de minha mente jorram as palavras e nascem rimas, contos crônicas, ou opiniões; liberto minha mente ao escrever, e sinto o prazer da criação destas linhas.

Adoro ver obras da cultura dum passado desconhecido, duma outra civilização que foram nossos ancestrais .

Coisas que falam com o meu ser, o meu espirito ou minha alma; como lhe queiras chamar.

Fico prenhe muitas vezes, e sou capaz de parir em versos ou em prosa, como o estou fazendo.

O meu amor pela vida e pelo escrever é grande, assim procuro o meu viver nesta ilusão de juntar letras, ficando palavras e frases que descreveram o meu pensar.

Amaria tanto ser um ser inteligente… e compreender o que vai na minha mente; queria tudo que penso, o poder descrever; não queria que minha mente devassa-se meu ser e o vosso.

Uma coisa que amo é escrever; mas este amor, não vai ao ponto de ter de pagar e sacrificar-me, para que vocês possam ler o que escrevo, até que, uma grande parte não lê, apenas quer ver sua fotografia no jornal.

De verdade que amo divulgar a nossa cultura, as nossas danças cantares e tocatas, o que trajavam muitos anos atrás, os nosso hábitos e costumes, incentivar a juventude divulgar os nossos pratos típicos e pitéus, mesmo de receber o silencio como um muito obrigado, mas daí, até ter de arcar com todas as despesas, vai uma grande distancia; apesar do amor que nutro pela palavra escrita.

Verdade que o que escrevo terá de ser lido com o coração, porque não aprendi o suficiente para pontuar com exatidão, se for esse o caso lê com o coração. Ou então vou deixar aqui uma remessa de pontuação.

¿…¿…!…!… :…..:…;…;…..?…?…,…, obrigado… mas ter de pagar para vocês me lerem não.

Por: Armando C. Sousa

Enviar a um amigo
clique ao lado!!!

Voltar