Pocinha de Lágrimas I

O vento assobiava atravessando as frestas da janela da sala onde dormia; depois de retirar um pouco a cama em que me encontrava com meu irmão mais velho; para nos livrar de uma pinga que teimosamente caia em cima; a noite estava de abanar a carvalheira, além disso, fria e chuvosa, eu tiritava enroscando-me mais ainda nas mantas de farrapos que nos cobriam.

Meu irmão aconchegando-se um pouco a meu corpo para me aquecer, disse-me hoje te vou contar para que adormeças, o conto da pocinha das lágrimas.
Começou por me perguntar se eu conhecia a fonte da Moura; respondi-lhe que sim, dizendo a meu irmão que já lá tinha bebido.

Não é aquela de pois da Igreja de que te quero falar; a fonte da moura é uma fonte milagrosa que deitará rios de pérolas, penedos d'ouro e diamantes tão grandes como as pedras da calçada, a dificuldade está em a poder abrir.

Então a fonte não deita água?... perguntei!...sim, respondeu meu irmão e a água por vezes murmura segredos que indica o caminho para a fonte da riqueza que é a verdadeira fonte da moura, segundo a lenda do monte de S. Miguel do Anjo.

Sim mas isso é no alto do monte onde agora só se pode ver o moinho e vestígios da capela..... respondi.

Bom escuta a história....a muitos, muitos ano atrás existia ali um castelo mourisco e segundo a lenda o rei do castelo era riquíssimo , sábio e feiticeiro, e então enterrou toda a riqueza do país no penedo da fraga onde se abrigam nos dias de chuva e frio os pastores das redondezas que por ali guardam o gado, um dia em que os pastores brincavam viram uma pequena cobra que rastejou para debaixo duma pedra.

Os moços pois eles tinham ente nove e doze anos levantaram a pedra para matar a cobra, mas ao levantar da pedra começou a jorrar água, e eles não mais viram a cobra, mas ao baixarem-se para beber ouvirão a água murmurando, não matais a cobrinha que é uma linda princesa encantada que foi encerrada com o tesouro no penedo da fraga que é a verdadeira fonte da moura, essa menina de olhos azuis transformada em cobra ficou prisioneira no penedo da fraga porque seu pai não a viu brincando com as pérolas e os diamantes na cave do tesouro quando selou o penedo da fraga.

Só as águas misteriosas que aquela pedra encobria conheciam o segredo da cobra de olhos azuis e menina apaixonada dum príncipe dos seus sonhos, das noites seculares passadas no penedo da fraga junto ao tesouro que seu pai ali enterrou já lá vão milênios.

Seu pai depois de ver o erro que tinha feito passava noites chorando a perda da filha amada; mandou fazer umas piinhas onde depositava a comida preferida da princesinha na esperança que ela ali viesse alimentar-se.

Ali ficava mil e uma noites chorando sua desventura , tantas lágrimas chorou que uma pocinha ficou cheia dessas lágrimas, preço da ganância e de poder; e nunca mais secou essa pocinha.

Um dia um pastor ensaiou molhar os lábios com a água da pocinha, tinha cede; mas limpou-os imediatamente porque a água era salgada, e logo ouviu uma vós dizendo, só poderás beber desta fonte quando abrires o penedo.

Então toda a riqueza será tua com a princesa mais meiga mais leal mais rica e mais bonita que vive aqui encantada por muitos milênios; o rapaz ficou cismando e quase aterrorizado, ao mesmo tempo chamou a malhadinha que era a que o ouvia melhor ,pegou na escudela uma espécie de malga de pau e começou a mugi a cabrinha malhada, bebeu e pôs a malga ao lado, pondo a cabeça entre as mãos cismava se estaria sonhando.

Ao retirar as mãos viu uma cobrinha que bebia os restos do leite, a cobrinha ali ficou olhando; o moço afirmava que ouviu a cobrinha de olhos azuis dizer não me mates que eu serei a princesa de teus sonhos.

Desde aí cada noite ao deitar-se pedia á cobrinha para vir brincar com ele, e assim ele viveu mil e uma noites e todas se transformaram em contos maravilhosos de amor de lealdade.

A cobrinha muitas vezes lhe disse que a verdade o levaria ao lugar mais alto do universo ao fundo mais fundo dos mares; mesmo ao meio das estrelas; mas teria de acreditar em si mesmo.

Os livros, a escola e os professores se fundiriam numa chave que haveria de abrir todas as portas, e ali encontraria todas as chaves a todos os lugares só por pensar. esta chave lhe daria as mais belas historias , sempre que ele as quisesse passar ao papel; beijou-o dizendo vem sempre que queiras e a cobrinha dos olhos azuis te contara uma das suas mais belas historias...

Boa noite dorme com os anjos.

'Esta história é dedicada a meu irmão, que tantas vezes me contou histórias para eu adormecer'

Por: Armando C. Sousa

Enviar a um amigo
clique ao lado!!!

Voltar