Amendoeiras em Flor

Portugal; depois de um inverno onde as águas assaltaram tantos corações, destruíram tantas esperanças; criaram tantas ansiedades; subiram a sítios nunca esperados, fizeram novos caminhos, criaram derrocadas e sobressaltos levaram trabalho de tantos anos, mostrando bem a impotência do homem, e a força sem contextos, e vontade da natureza.

Todos os pedidos; todas as preces, o erguer de olhos e de mãos foram infrutíferos para parar a natureza, no seu caminho de aviso às populações do mundo.

Um pouco através do mundo tem mostrado que está zangada com a humanidade.

Darei alguns exemplos; cheias de Portugal e de Moçambique, os tornados nos Estados Unidos, os fogos n Califórnia e no Canadá; os terremotos na Turquia na China, na Columbia Etc. Etc.

El Ninhos El ninhas, as cheias em rede river Manitoba, e tantos e tantos lugares através do universo.

A natureza depois demonstrar um tudo nada de seu poder, com chuvas e ventos cheios de deixar, pasmados os mais crédulos e prejuízos enormes, mostrou outra vez o seu sorriso, o sol veio, e as amendoeiras começaram a dar sinal dum sorrir da natureza em Portugal..

Nas cristas das montanhas ainda a neve espelhava, à luz dum sol acolhedor, os reguinhos de água desciam por todos os lados da montanha, tornando-se em regueiros, e daí em regatos engrossando o a turbulência dos rios.

Mas as amendoeiras já em flor como a desafiarem um inverno de chuva e vento sem memória nos recordes do País.

O espetáculo dizia-se de maravilhas, dizia-se mesmo de sonho, o florido das amendoeiras entre o verde verdinho das oliveiras, as cristas das montanhas cheias de neve; convidava as pessoas humanas ir admirar a grandeza da natureza...

Os homens em comando esqueceram-se que a natureza deve ser respeitada adorada e ajudada; mas em vez de o fazerem, por muitos anos que se entretinham a procurar lavar a cara dum País cheio de podridão, mas lavavam apenas a cara, procurando fazerem a espôo , gastando rios de dinheiro, que fazia falta para mudar as faldas, cheirosas do interior do País...gastam rios de dinheiro em fogo de artifício, mas não podem preservar uma ponte, que foi feita para passarem carros de bois e caminhões de pequena tonelagem.

Ignoraram reportes de alarme, ignoraram necessidades dos humanos Portugueses.

Mas ainda tiveram sorte de não ter de responder se fossem turistas estrangeiros.

Durante vinte anos que ignoraram cartas dos autarcas, de engenheiros e sobretudo os protestos das populações;

As populações ainda tem de responder em tribunal por quererem avisar do perigo que corriam; isto só em Portugal a ironia vai tão longe.

As conseqüências de tudo isto abalaram os Portugueses que vivem em todos os cantos do universo.

Nós choramos, mas não podemos aliviar o luto e a dor de tantas famílias, que acreditavam que seus familiares iriam ver amendoeiras em flor....

Talvez tivessem voltado extasiados de tanta beleza que a natureza lhes oferecia, se não tivessem acontecido o que a muito previam, as conseqüências tornaram-se numa das mais funestas dos nossos tempos, com a previsível derrocada da ponte de Entre os Rios.

Digo previsível ao ler as cartas envidas ao governo, e a entidades ligadas ao trafico do rio e travessia.

Isto foi uma machadada cravada na mente insólita do ministro, dos autarcas, na engenharia e na população que tem por obrigação de aprender, para poder preservar e respeitar as infra-s estruturas para que foram feitas; elas só nos respeitam, se nós respeitarmos o justo valor que lhes foi atribuído.

Os sinais de podridão dessa ponte e de tantas outras estão marcados com a data do tempo, se não houver precaução por parte de quem tomou responsabilidade, e de nós próprios que os posemos no lugar

No próximo ano haverá mais gente que não regressará do sonho nunca terminado de ver amendoeiras em flor.

Por: Armando C. Sousa

Enviar a um amigo
clique ao lado!!!

Voltar