As teias da minha aranha
Estão tecendo meu destino
Tecidas no meu tear
Que carrego desde menino.

Na teia da minha aranha
Nela fiquei enlaçado
A aranha que me enlaçou
Digesta, bocado a bocado.

Já passei setenta anos
Na teia que me enlaçou
Aranha que vive ainda
Eu vivendo nela estou.

Aranha espalhou a teia
Da América a Portugal
Sua prisão me maneia
Não pude fugir igual.

Por: Armando C. Sousa