Na esquina da rua mora um amigo
Nesta grande cidade que não tem fim
Dias meses anos estão passando te digo
Sem eu o ver ou ele me ver a mim...

Corro sempre na vida; terrível andar
Ele sabe também como eu e não me vê
À dias que me lembro, vejo parecidos passar
Anos passaram e nem noticias minhas lê.

Estou velho e cansado de simular a partida
Mesmo cansado de procurar fazer-me notar
Não vejo o amigo da esquina por uma vida
Amanhã prometo partir para vos ir abraçar.

Bom; prometo de vos ir abraçar com amor
Isto para mostrar que estou pensando em ti
Estou ficando velho, e aumenta minha dor
Mas amanhã, vem amanhã vai, e eu sem ti.

A distância entre nós está ficando maior
A esquina a milhares de km... de distância
Ho! Aqui está um telegrama, supunha pior
Apenas me lembras brincadeiras de infância.

Na esquina da vida desapareceu um amigo
Eu não lhe dei o adeus que tanto sonhava
Talvez por ignorância que tive este castigo
Lá se foi um amigo que eu tanto amava.

Quando decidires que agora será tempo
Irás ver que é muito tarde; tarde demais
Por isso vai abraçar mesmo agora os amigos
Toda a famíilia, irmãos, primos, avós, e pais.


Por: Armando C. Sousa