Se fosses planta e flor, te iria convidar
Abrires bem teu botão, para cheirar
Já és rosa abertinha
Sem dares todo teu perfume

Que dentro tinha.

Ainda não acabastes os gestos de amor
Portanto, já abriste, linda flor
Tens tanto perfume para dar
Tão longe, sem o poder cheirar

És rosa, influência da loucura carnal
És estribilhos da minha poesia
És deusa de meu sentir
Do meu viver de alegria

Nos silêncios de tua ausência
Revejo sombra de tua pele
Sentindo em teus lábios rosados
O suco do mais doce mel

Vou deixar as avezinhas
Que voam em teu redor
Pousarem em tuas pétalas
Com graça do beija-flor

Hoje quero convidar-te
A abrires para o mundo e para a vida
Para dares todo teu perfume
Não vivas a vida perdida.

Por: Armando C. Sousa