Nestes meus rabiscos, Oh ! dama, musa e poetisa
Espero a ti poder passar nestes simples versos
Que rabisco enquanto recebo dos céus, a brisa
Sublime sentimento, mesmo em meus reversos
Que a vida sempre oferece e sem falta nos frisa
Amor e tantos puros sentimentos diversos ...

Importante esclarecer que enquanto vivemos
Muito do que buscamos, nos traz sofrimentos
Talvez para testar nossa têmpera, entendemos
Encontramos alguém que só nos traz lenimentos
Para que acordemos com isso e nos mudemos ?

Acontece que na vivência desta efêmera vida
Os percalços ... destruindo os seres por dentro
Abrem e mantém muitas vezes grandes feridas
Desestabilizando nosso equilíbrio, nosso centro

A vontade de seguir ... então, começa a nos faltar
Parece que nada no mundo merece o nosso caminhar
Sem ilusão, em desânimo, o silêncio se começa a pautar
E em preces se pede alguém lá do alto que venha nos buscar

A grande realização que se busca é a partida
Perde-se o interesse de mexer com essa lida
Nem se pensa mais em encontrar guarida
Quer-se apenas mudar de ciclo de vida

Para poder, talvez, assim esquecer
Que ainda exista um amanhecer
E se busca desde o entardecer
O grande fim até o anoitecer

Essa será a hora mais certa (?)
Para se fechar a janela aberta
Permanecer em estado de alerta
Evitando experiência incerta

E ainda que encontre a musa sonhada
Que entre tantas possa ser idolatrada
Fica incógnita a esperança, acabada (?)
Melhor será esquecer a mulher amada (?)

Nesse turbilhão de emoções
Entre tantos dos problemas
Escondem-se grandes paixões
Que levam o poeta ao dilema

Seguir em frente e correr outro risco ?
Ou parar o mundo, não deixar acontecer ?
Escrever ... perpetuar história n'um rabisco !
Até que as respostas a tudo possam aparecer ...



Autor: Heraldo Lage