Namorados... universo do amor... folhas caídas... dia triste... amor proibido... obstinação... quer tudo... ou nada ... com amor... sem amor... quero-te... preciso de você...

não pare de falar... fale mal... bem... mas não esqueças de mim... o mal em tua boca será como mel... ou o destilado orvalho silvestre... o bem... o figurado de nossa vida...

não queria escrever... não quero... mas escrevo... Impulsiona-me essa força gigante... musa minha... tangendo silencioso... pensamentos e devaneios... curvamos-nos... ante a imperiosidade de nos ter...

sufragando impetuoso querer... ponte ligando o ser... aconchegando leitores pescastes... neste rio de prazer que vive... tolhendo a tristeza dos aflitos... enxugando a s lágrimas dos que choram... encontrando em nos mesmos... o sabor gratificante... enseadas numa praia tranqüila... a sombra dos coqueirais...

das grotas recônditas do amor gracioso... que embala nosso ser... como crianças no seio da mãe... ou do cedro do Líbano plantado junto ao ribeiro... que suas folhas não caem... ou a estrela d'alva nesta manhã...

dos dias dos namorados paro... não quero escrever... mas as páginas de nossa vida... surgindo hora com beijos... hora com tristezas desabrocham como pena de um destro escritor... e horas intermináveis de um amor vivido... patenteia suplemente... o livro que nossa vida escreveu... vai agora abrindo as demais páginas...

eu aqui espero... na ansiedade sedenta de ouvir... e de viver tudo novamente... como fosse hoje o primeiro dia... não haverá o último... porque o sombrio e o negro... não existem em nossas vidas!

Autor: Sincero... o Único