Por que olhar para cima?
Por que semimergulho no mar?

Braços querem abraços,
mãos dançam música sincera
em apertos do coração.

A luz redesenha chuvas e marcas
de seios, louros cabelos, pele
de pêssego: mulher-sereia,
mulher inteira, mulher sim,
mais do que mulher...

E porque sensível e linda,
enigmas suspiram no vento
sul nos mais róseos acalantos.


Autor: Wanderlino Arruda