Afastaste de minha vida o inverno agreste
Envolto em úmidos véus e odores...
Trouxeste a bendita primavera que, com suas cores
De brancas margaridas, meus sonhos ainda veste...

Em turbilhão, veio o vento nordeste
Levando os desenganos e as dores,
Deixando a brisa suave, o perfume das flores
E as estrelas no céu azul celeste...

Depois, como estrela cadente
Partiste sem nada dizer...
Vem, meu amor sonhado...!

Vem, canta e chora comigo...
Rouba-me o beijo desejado
Infiltra-te em meu coração
Pois, só nele encontrarás abrigo.

Deixa-me segurar a tua mão
E levá-la ao meu peito
Para que sintas a grandeza
Da vida em pulsação
Do ser que, por ti, vive com emoção...

Vem, meu amor sonhado...!
Recosta a cabeça em meu regaço
Abraça-me, estreita os nossos laços
Ata a nossa história com suaves nós...
Reforça, sela, funde o nosso amor
Para que ele viva depois de nós...


Autora: Maria Hilda de J. Alão